cancelar
Showing results for 
Search instead for 
Do you mean 
eu sou o flow
Aronguejo
Aronguejo

[fanfic] Yasuo Odisseia vs Zed Dizimador de Galáxias

Eae galera, beleza? Fiz uma fic só para brincar, utilizando um universo paralelo de League com dois personagens que gosto bastante. É só uma lutinha mesmo, bem básica. Se tu curte ler batalhas em livros/light novels talvez curta essa também. Enfim, só aproveitar logo abaixo, flwwww.

separador de pobreeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee


A risada de Zed ecoava no grande salão, através da voz dos seus vários clones. Sona, a feiticeira lunar, estava aos pés do dizimador de galáxias, sentado em seu trono dourado feito de Ora. Ao olhar para cena, Yasuo soltou um suspiro abafado, sem muita afetação. Caminhou devagar por entre os clones, sem levantar a guarda por um único momento.

Zed permaneceu no trono, observando do alto o espadachim se aproximar de seus amigos, que também estavam caídos no grande salão. Malphite, com as costas cheia de cortes e perfurações, desmaiou utilizando seu grande corpo para proteger a frágil Jinx, que também estava apagada. Mesmo nessa situação, o sorriso característico da Jinx estava estampado em seu rosto, o que fez Yasuo soltar um breve riso. Porém, seu incomodo era visível aos olhos perspicazes do mestre dos clones.

- Então esse é o famoso capitão da Estrela da Manhã. / A voz profunda vinha de alto, com perceptível tom sarcástico.

Yasuo suspirou mais uma vez, balançando a cabeça em negativo e fechando os olhos. Pegou o lagarto de seu ombro e o colocou no chão. O lagarto, de nome lagarto, se escondeu entre os corpos de Malphite e Jinx. Zed permaneceu quieto, lá do alto,  esperando o próximo movimento do espadachim/capitão da estrela da manhã.

- Eu não me chamaria de capitão, ela - disse Yasuo olhando para Jinx apagada -  que passou me chamar assim do nada.

- Hm, modéstia, a força dos tolos.

Antes mesmo que Zed completa sua sentença, uma rajada de energia voo em sua direção com grande velocidade. Instante antes Yasuo desembainhou sua espada, e a velocidade desse movimento gerou a onda de choque que foi enviada em direção a Zed. O golpe colidiu com um clone que surgiu no mesmo instante, defendendo seu mestre, que não moveu um único músculo e permaneceu sentado em seu trono. Em seguida, o clone sumiu.

- Hm, uma grande maestria com a espada. Digno de um templário. Quem é você "capitão"?

- Apenas um garoto mimado que tinha muito dinheiro para treinar com os melhores mestres do universo.

- Hahahahaha, não me faça rir mortal, há uma limitação para o que um mestre possa ensinar. Esse é um talento nato, que nasce a cada 1000 anos. Com toda certeza você é um escolhido do Ora para o meu universo livre dos fracos.

Yasuo deu de ombros. O mestre dos clones tinha o mesmo papo louco que vários outros vilões que a estrela da manhã já havia enfrentado. A principal diferença entre esse louco e os outros, é que esse louco tinha poder necessário para fazer da sua loucura realidade, e até Yasuo sabia disso. Ele tinha em mente que não era um herói, mas deixar Zed a solta criaria problemas que o afetaria diretamente. Imagina um mundo sem baladas, bebidas e romances ruins? Só de ter esse pensamento, Yasuo sentiu um arrepio. Também tinha o fato de que seus amigos/companheiros de viagens/subordinados(?) tinham levado uma surra, e como ele era o “capitão” da estrela da manhã tinha que fazer algo em relação a isso. Para onde iria sua reputação nos 7 planetas de Valoran. Ninguém iria mais contratá-lo para mais nada nessa vida. Já não basta ser procurado por um crime que não cometeu, agora iria morrer de fome? Pois bem, enquanto Yasuo devaneava sobre todas essas questões, Zed fazia um discurso sobre o universo que ele criaria, discurso esse que não vale muito a pena mostrar aqui, até porque você também ignoraria o palestrinha. Acho que o cara precisa de novos amigos urgentemente.

- Você está me escutando mortal. - falou Zed, meio desconcertado ao perceber a falta de atenção de Yasuo

-Ham, heim? Você estava falando alguma coisa? - Disse Yasuo, sem perceber que estava ignorando completamente o dizimador de galáxias até aquele momento.

Houve silêncio por alguns segundos. Por dentro do elmo de Ora o rosto de Zed estava retorcido de raiva e ele estava descrente com o tamanho desrespeito que sofrera, mas o vilão não demonstrou sua frustração para Yasuo, que, por sua vez, expressava um olhar no mínimo indiferente nesse momento. Ainda sentado em seu trono, O mestre dos clones colocou a mão na testa, por cima do elmo e passou a rir. A risada, numa crescente, se tornou uma gargalhada e era acompanhada por cada clone que estava presente no salão. Em pouco tempo a única coisa que era possível ouvir no recinto era a gargalhada maquiavélica do poderoso chefão. Yasuo sabia que agora era a hora da boss fight.

- MWAHAHAHAHAHAHAHHAHA, VAMOS VER SE SUA TENACIDADE EM BATALHA SERÁ TÃO BOAS QUANTO SUAS PIADAS, MORTAL!

Ao som do brado de seu mestre, os clones partiram para cima do espadachim. Dois pelos flancos, dois pelas costas e um pela frente. Um ataque sinérgico e sincronizado que só clones que compartilham a mesma consciência seria capaz de fazer, fechando completamente as possibilidades de fuga de Yasuo. Mas, mesmo tamanha sincronia tinha pequenas falhas, janelas de oportunidade que só um ágil e experiente combatente conseguiria aproveitar. Yasuo, num movimento circular, consegue girar sua espada que praticamente some ao se movimentar, acertando os pontos cegos de cada clone, e os fazendo sumir, como sombras desvanecendo. Após esse movimento, o espadachim dá um passo na direção do mestre dos clones, que continuava sentado em seu trono, com a feiticeira em seus pés. Mal Yasuo terminara o passo, e um clone surgiu no chão, dando um gancho de direita direto no queixo do espadachim, utilizando as lâminas que surgem em seu punho. Yasuo desviou para trás, e um feixe de vento cortou o clone em dois, que some como os clones anteriores.  Em seguida, Shurikens voaram em direção ao espadachim, vindo do alto, e o espadachim correu na direção delas. O movimento do desembainhar de sua espada criou uma energia de Ora que rebateu as shurikens de Zed, o que fez possível para Yasuo, ileso, conseguir encurtar a distância entre os dois.

Numa fração de segundos, como um flash, Yasuo estocou o corpo sentado de Zed no trono, perfurando o torso e o trono de Ora num único golpe. Perfurado, Zed soltou um urro abafado, e segurou a espada de Yasuo com as mãos. Então, ouve-se um assoviar de lâmina cortando o ar, a lâmina era de Zed, que trocara de lugar com um clone antes de ser acertado pelo espadachim. A lâmina quase acerta o espadachim, que salta para trás, se afastando do vilão.

É nesse momento no qual Zed pisa no corpo caído de Sona, que geme de dor. O espadachim lança um olhar fulminante para seu adversário e investe contra ele. Suas lâminas se chocam várias e várias vezes, gerando um som estridente que ecoa pelo grande salão. Por entre as lacunas de som que o tilintar das lâminas em choque sempre havia gargalhadas de Zed, mas o espadachim permanecia calado.  Ao decorrer do combate, ambos se afastam do trono e lutam no centro do hall do grande salão.

Se acostumando com as movimentações de Zed e seus clones, Yasuo começa a perceber um certo padrão nos golpes de seu adversário, e com isso consegue diminuir bastante os danos que recebe durante a luta. O poder de Ora, que de tempos em tempos reativa enquanto Yasuo se movimenta, também ajuda a conservar sua saúde, mantendo os ferimentos superficiais, o que faz Yasuo ser mais resistente do que pessoas comuns.

O espadachim que também é mestre em respiração, percebe que seu adversário está um pouco ofegante, quase que imperceptível para alguns, mas não para o capitão da Estrela da manhã. Conclui logo o óbvio; Apesar dessa criatura estranha ter muito poder, ainda é um ser vivo que precisa respirar, pois ar é energia de vida. Sabia que era questão de tempo para o mestre dos clones usasse o seu trunfo final, pois estava conseguindo o encurralar. E isso era fato. Zed, ao perceber que estava sendo encurralado, ficou extremamente irritado:  “Como um mortal é capaz de me por contra parede, isso é ultrajante”.   Por um momento, pensamentos assim povoaram a mente de Zed, mas, ele se lembrou do que aprendeu quando ainda era um templário, e sua mente se acalmou. Foi nesse momento, que Zed e seus clones desapareceram do grande salão, sumiram sem deixar rastros. Yasuo ficou claramente confuso.  “Ainda sinto sua vontade de matar, mas sua presença está oculta. De onde virá o próximo ataque?” Era o pensamento do espadachim, que já havia sido atacado por Zed e nem tinha percebido. Passou-se três segundos e o sangue de Yasuo respingou por todo o salão. Com tanta perca de sangue, Yasuo não conseguiu se manter em pé.  Caiu de joelhos, mas usou a espada como apoio. A sua frente, Zed surgiu, de costas para si. Andou até o trono. O Espadachim,  mantinha a consciência com dificuldade, e contou os passos do dizimador até o trono. Zed se sentou no trono, e aquele homem de joelhos a sua frente parecia uma reverencia a um superior. O vilão se envaideceu ainda mais por causa dessa cena, e não percebeu um detalhe bem importante. 

- Se você jurar lealdade a mim, mortal, deixarei você viver no meu universo sem fracos, e esquecerei a sua petulância em me desafiar.

A voz de Zed era rouca e grave, esbanjando uma autoridade digna de um rei ou um imperador. Para ele, mostrar piedade também era uma forma de confirmar o seu poder superior diante dos demais. Mas, não matar de vez o espadachim foi um erro terrível, pois havia uma sombra minúscula  escondida naquele salão, próximo ao seu trono, dando risinhos inaudíveis. Yasuo, ainda de joelhos, sorriu. Seu plano tinha dado certo.

O espadachim sabia que uma hora ou outra Zed abriria sua guarda. Também já conhecia a história sobre o dizimador de galáxias ser capaz de criar clones autônomos, mas que havia um corpo principal. Tudo o que ele precisava fazer era descobrir qual era o corpo principal e ele teria uma chance de vitória. O problema era saber qual era o corpo principal. Esse era a parte difícil do quebra cabeça. Mas o último movimento de Zed fez o quebra cabeça cair no lugar. Todos os clones, sem exceção, somem depois de alguns segundos, mas Zed é capaz de trocar lugar com eles, e esse detalhe pode deixar lutadores menos experientes confusos. Contudo, existe um limite para a troca de corpo com o clone, e Yasuo percebeu o limite apenas observando a respiração de Zed durante o combate. Então o espadachim contou os segundos enquanto Zed caminhava para o trono, e mesmo a distância ele era capaz de perceber uma pequena alteração em sua respiração. O tempo necessário para o clone sumir havia passado, aquele era o corpo principal. E Zed, instintivamente o não, havia chegado a uma distância segura do espadachim, dando certeza a Yasuo que aquela simples alteração em sua respiração era um indício que Zed não podia trocar de lugar com nenhum clone. O espadachim olhou para Zed, e mostrou o seu sorriso, ele sabia que iria vencer. Foi quando o mestre dos clones percebeu que havia caido numa armadilha, mas era tarde demais.

-  Ta certo baixinho, o Ora dessa vez é todo seu!

Com espantado, Zed tentou levantar de seu trono. Logo a sua frente um clone começou a se formar. Yasuo não estava completamente certo em seu julgamento, porém  Zed estava realmente cansado e com a guarda baixa. Nessa situação,  ele não foi capaz de escapar da explosão causada pelas bombas de Ziggs, este que, utilizando uma tecnologia roubada de uma tecnomante Demaxiana, conseguiu se ocultar no salão enquanto a batalha acontecia. Não só isso, conseguiu tirar os amigos de Yasuo do lugar e espalhar bombas em locais chave, como o trono feito de puro Ora, que reagiu muito bem(não pro Zed, claro) com a sua bomba.

Jogado no ar pela explosão, Zed percebeu que os corpos dos aliados de Yasuo não estavam mais naquela sala. O ódio de ter caido na armadilha de seres inferiores o fez ter vontade de gritar brados de maldição, contudo, nem disso ele foi capaz, pois o espadachim que estava de joelhos a sua frente até aquele momento sumiu diante dos seus olhos. Yasuo surgiu atrás de Zed e executou sua maior técnica, último suspiro!

- SURIEGETON!

Com tamanha violência ao brandir a espada, os três movimentos da lâmina de Yasuo criam três arcos luminosos. O primeiro corte, vertical, pintou o teto do grande salão com o sangue roxo e frio Zed. O segundo corte, horizontal, acertou o torso do adversário de Yasuo com tanta força que foi uma surpresa o mestre dos clones não ser dividido em bandas e o arco final, um corte vertical de cima para baixo, arremessou o corpo do dizimador de galáxias no chão, que caiu em cima do desenho gerado pelas ondas de choque da técnica especial do espadachim. Porém, antes que Yasuo aterrissasse, Zed abriu um portal interdimensional e fugiu, para sabe sei lá onde.

Yasuo aterrissou e caiu de costas no chão. Sem forças, abre os braços e apaga. Quer dizer, ou finge que apaga, pois não estava muito afim de ouvir a ladainha de Ziggs sobre dinheiro, Ora e explosões.

FIM

Etiqueta (1)
  • LOL

2 RESPOSTAS
Rydrake
Barão
Barão

Muito legal, @eu sou o flow . Parabéns! 

'Yasuo aterrissou e caiu de costas no chão. Sem forças, abre os braços e apaga.' ELE MORREU PRA SEMPRE, SE DEUS QUISER.

Muito obrigado manin, curti que tu gostou!