cancelar
Showing results for 
Search instead for 
Do you mean 
Säfira
Arauto
Arauto

BR tem esperanças?

Não sei se exatamente é um local correto,mas acredito que pelo teor do tópico,esse seja o canal mais adequado ,creio eu.

 

Pois bem... Vendo novamente a lástima do Brasil no MSI,eu me pergunto se o cenário Brasileiro de League,como um todo,começando pelas nossas SOLOQ,e também  pelos nossos elos em geral de Bronze a Desafiante,será mesmo que nós temos esperanças de melhorarmos e sermos algum dia reconhecidos como uma região potênte e uma região que ai para algum torneio ganhar algo ,ou sempre viveremos ao ostracismo e ao relento? 

 

Bom... É muito complicado ver este tipo de coisa,pois o Brasil nunca ganha nada,e nem de ninguém... Nós Brasileiros,não temos a capacidade de evoluir no Lol ?  Ou a nossa .... não sei como botar em palavras... "espécie",no caso espécie brasileiro (entenderam?),não se adapta ao estilo que League é jogado?  

 

Eu sei que ficou muito complexo,porém é isso.... 

 

 

E essa pergunta na verdade surge desde as nossas SoloQ,mecanicas e etc.... surge de muito tempo e de uma massa em geral.... Será que é algo inerente ao Brasileiro ,ser tão ruim em League ?

 

 

Afinal,nunca ganhamos nada em lugar nenhum ... Não sei se o tópico ficou claro quanto ao ponto,mas é  isso,eu tentei explicar do melhor jeito possível.

The River´s will run red
2 RESPOSTAS
SKL Minister
Arauto
Arauto

Então cara, eu acompanho o cenário de LoL desde 2014 e de lá pra cá posso te dizer algumas coisas que a comunidade de League em relação aos E-sports acredita ser o nosso ponto de estagnação e até mostrar algumas coisas que foram modificadas.

 

  • Comodidade: O Olleh (ex-jogador da Pain em 2013) em uma entrevista recente, afirmou que quando jogava no Brasil percebeu que o empenho dos jogadores não era grande e era sempre ele que tentava puxar o time pra jogar SoloQ e treinos. De uns tempos pra cá se vem contestando muito a falta de compromisso dos jogadores com League. Infelizmente, pela discrição dos treinos entre os times (o que é algo justo por motivos estratégicos) não sabemos dizer o quanto isso é verdade. 

 

  • Falta de novos Jogadores: Muita gente ainda fala da falta de novos jogadores pra movimentar estilos de jogo e até mesmo como uma competição saudável de disputa entre players do mesmo time. Essa reclamação já vem sendo pouco utilizada justamente por causa de jogadores como Dynquedo, Titan e Juzinho que mesmo não sendo extremamente novos, mas em comparação a mais velhos, estão com bem menos tempo de rodagem. 

  • A MD3: Até pouco tempo atrás o estilo MD2 era utilizado, sendo o empate algo muito desvantajoso para uma competição de responsabilidades em jogo. Muitas partidas terminavam 1 a 1 e se tornava uma resultado de comodismo. Isso foi modificado justamente este ano, onde a MD3 e MD5 preparam muito mais o terreno pra um verdadeira competição.

  • Administração de ClubesNão sabemos como os clubes são administrados no geral, mas a nossa composição de Managers e Coachs vem sendo criticada. Muitos Coachs brasileiros são dispensados por falta de resultado e até mesmo má desempenho, enquanto estrangeiros como o holandes "Gevous" e o Canadense "Nuddles" colocaram duas equipes em posições de dominancia tamanha que simplesmente se sagraram campeãs quase perfeitas. Sem lembrar do grande trabalho do Norte-Americano "Abaxial" pela famigerada INTZ de 2016. 

 

No final das contas, temos solução? Sim, mas depende mais da comunidade que propriamente da RITO. Mesmo não jogando tanto contra equipes internacionais, deveríamos criar novos estilos de jogo e trazer o jeito brasileiro pro League. Falta mais identidade pra nossa região, falta um pouco mais de sangue brasileiro em jogo, pra quem sabe, sermos mais do que somente experiência internacional.
 

Dizzie
Lenda
Lenda

Assistindo algumas streams de proplayers, percebi que a maioria do jogadores BR estão mais interessados em se divertir e fazer algazarra na Gaming House do que jogar de forma séria. Dá para notar isso vendo o comportamento de alguns deles. Só gostam de brincar e fazer piadinhas, trollar na SoloQ. Aí quando chegam em campeonatos sérios (a nível internacional), se lascam. Infelizmente isso dificilmente vai mudar; afinal é a cultura brasileira de não levar nada a sério, querer tudo fácil, não se esforçar, não tentar se superar. Muito disso é reflexo da cultura do entretenimento idiota que existe no nosso país. Então as pessoas (jogadores) se tornam imbecilizadas em busca de fama, status, ostentação; porém sem um conteúdo digno de respeito.