cancelar
Showing results for 
Search instead for 
Do you mean 

Um papo sério.

Galera já notaram como as filas matinais são horriveis? eu tentei jogar em 4 contas hoje , com um elo médio Ouro e honestamente é lastimável como estão as coisas atualmente , quando digo atualmente digo dos anos 90 em diante , quando foi adotado esse atual método educacional Brasileiro , Vemos hoje um desinteresse dos pré adolescentes e das crianças que deveriam se entreter mais com a Escola , nos demais países 8:00 AM o pessoal tá na escola entretido com algo que levará à algum lugar , enquanto nossas Crianças entram normalmente no periodo da tarde e não passam quase nada na escola , E então , resta tempo para esses aborrecimentos cotidianos . seja eles por coisas banais como por exemplo Auto Fill , um Teemo caiu comigo , suporte , não trocaram com ele , 3 minutos de jogo ele já tinha mais mortes que os dois times , fui obrigado a sair da partida pois era impossivel de Jinx sobreviver a uma MF e uma Zyra já na frente , e Não adianta cobrarmos da Riot em relação a isso , não tem o que ela fazer , ela banirá o individuo , ele vai criar outra conta . Dissertem por favor , não sei mais como me posicionar em relação a isso , quero mesmo é parar de jogar pois está cada vez mais desestimulante jogar isso.

5 RESPOSTAS
Bills
Arauto
Arauto

Rajada, voltou la em 1990 para chorar da soloQ

Scanner14
Arauto
Arauto

desinteresse dos estudantes pela escola é o principal responsável pela evasão escolar na faixa etária entre 15 e 17 anos. Alvo da nova fase do Bolsa Família, os jovens não consideram as escolas atraentes, segundo a pesquisa “Equidade, eficiência e educação: motivações e metas”), divulgada pela Fundação Getúlio Vargas. Entre os que estão fora da escola, 45,1% afirmam que deixaram as salas de aula porque não quiseram mais estudar.

Nessa mesma faixa etária, 23% abandonaram os estudos para, de alguma forma, gerar renda para a família. E 10,9% por dificuldade de acesso aos colégios. Há 10,7 milhões de adolescentes entre 15 e 17 anos no Brasil. Desse total, 18% estão fora da escola.

- O número de jovens que não fazem nada tem crescido. O jovem quer internet. E deixam uma mensagem bem clara: “essa escola que está aí não me interessa” — disse o economista Marcelo Néri, coordenador do estudo, que defende a inclusão digital como principal instrumento para atrair o aluno.

Ao todo, estima-se que há mais de 3,8 milhões de brasileiros entre 4 e 17 anos que não frequentam a sala de aula, segundo informações obtidas nos microdados do Censo Demográfico de 2010 e compiladas em um recente estudo do Unicef (1).

Números como esse, colocam o Brasil no triste pódio da terceira maior taxa (24,3%) de abandono escolar entre os 100 países com maior IDH. De acordo com dados coletados no ano passado pelo Pnud (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento), 1 a cada 4 alunos que inicia o ensino fundamental no Brasil abandona a escola antes de completar a última série.

Não é de se estranhar que neste quadro de evasão os mais excluídos da escola são aqueles historicamente excluídos de toda a sociedade. “A pobreza influencia muito as taxas de evasão, e a população negra e indígena são os grupos mais vilipendiados”, afirma Miriam Maria José dos Santos, Presidente do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente – Conanda. Miriam enxerga que há avanços neste quadro conquistados graças aos Programas de Governos que estão ajudando a romper o ciclo da pobreza, porém, a melhora dos últimos dez anos nem de longe interferiu drasticamente na realidade pautada em anos de omissão.

trabalho infantil e violência

Dados do relatório “Crianças Fora da Escola 2012”, também da Unicef, apontam que mais de um milhão de crianças e adolescentes, entre 6 e 14 anos, encontram-se trabalhando no Brasil, Nesse período de vida, o trabalho infantil é uma das principais causas do abandono escolar.

As meninas ainda hoje são conduzidas a repetir um padrão que tem base no sistema escravocrata do passado. Cedo, começam a trabalhar como faxineiras nas casas de terceiros. De acordo com dados de 2013, divulgados da Organização Internacional do Trabalho (OIT), mais de 93% das crianças e dos adolescentes envolvidos em trabalho doméstico no Brasil são explorados;


Além do trabalho infantil, a violência é outro pilar que sustenta as desigualdades na educação. Apontamentos do IPEA de 2013 dão conta de que a chance de um adolescente pode ser assassinado é 3,7 vezes maior em comparação aos playboys e filhinos de papai.

Agora se você se preocupa com os kids desse joguinho aqui, vire presidente e faça-a uma escola que atraia o aluno longe de. violencia drogas e etc. Eu desistir também de estudar para poder trabalhar.

Não julgue sem saber, seu país e o seus politicos são os responsáveis por isso!

OBG

E o que você quer dizer com isso? Estou julgando o que ? Trago um fato , pessoas imaturas demais pra isso aqui que deveriam estar na escola , algo que remete diretamente o governo , a má administração e a corrupção que de anos pra cá vem se agravando e tornando-se mais frequente .

Ao meu vê sim, posso ter interpretado seu texto de forma errada, porém a culpa não é deles nem nossa. A culpa é da classificação de idade aqui, e imaturidade da nossa parte também pelos seguintes motivos;

1- Descutir com kid's que são vagos de maturidade e consciência
2- Não mutar e levar discussões virtuais afetar seu cotidiano no dia á dia
3- Pagar com a mesma moeda, querer se vingar do trooll ou se igualar a ele que gera mais toxidade que é = comunidade toxica
4- Não incentivar novatos a jogar, ensina-los o certo ou errado até mesmo você não nasceu sabendo!
5- Ter requisito de idade para jogar LOL, EMBORA 60% DOS PLAYERS SÃO CRIANÇAS DE 11 A 15 ANOS MIMADAS.

Mano são vários fatores se eu fosse colocar aqui não ia caber, o que podemos fazer é deixar de ser toxicos vê alguém toxico /muteall denuncia no final e pronto, vida que segue!

Você viu como um voto influência ? se tivessem um país descente teria uma comunidade descente, com educação!

O pior do brasil é o brasileiro!
Brave Bird
Lenda
Lenda

Kids leite com pera que estudam à tarde